Transporte marítimo tem US$ 400 bilhões de risco climático não avaliado

Os US$ 400 bilhões em dívidas do setor de transportes marítimos que os bancos detêm representam um risco enorme se a transição para a economia de baixo carbono não começar a ser feita já. Essa é a principal conclusão do estudo Navigating Decarbonisation: An approach to evaluate shipping’s risks and opportunities associated with climate change mitigation, conduzido pelo Carbon War Room, organização sem fins lucrativos fundada por Richard Branson, em parceria com a UMAS. Trata-se da primeira abordagem já feita para testar o stress climático dos ativos do setor de transporte marítimo.

James Mitchell, associado sênior para o transporte do Carbon War Room, explica: “Risco não é nada novo para a indústria naval ou para as principais instituições financeiras, mas o risco da transição climática é. Se uma decisão de financiar uma nova construção é tomada hoje, esse navio muito provavelmente terá que competir sob novas politicas da Organização Marítima Internacional do da União Europeia antes de seu primeiro atracamento seco. Este trabalho sugere que esses riscos terão impacto no mercado e devem ser avaliados agora”.

Os financiamentos de projetos e empréstimos corporativos para a indústria de transporte marítimo internacional têm sido um grande negócio para as principais instituições financeiras. Este estudo, realizado ao longo de 18 meses, identificou que, embora algumas partes interessadas financeiras estejam cientes dos riscos de ativos encalhados, poucos bancos avaliam a eficiência dos navios ou têm programas de empréstimo em vigor para manter os ativos competitivos. Os autores recomendam que uma maior diligência seja levada a cabo hoje pelos financiadores, armadores e acionistas para evitar perdas até meados da década de 2020. A transição para uma economia de baixo carbono exigirá investimentos significativos para manter os navios competitivos.

“Os financiadores devem investir no futuro e preparar-se para aproveitar as novas oportunidades que a descarbonização irá criar. Mesmo com US$ 400 bilhões em dívida do setor global de transporte marítimo em jogo, temos pouca evidência de que isso esteja acontecendo. Nós demos o primeiro passo”, disse Jules Kortenhorst, CEO, Sala de Guerra do Carbono e Rocky Mountain Institute.

Navigating Decarbonisation é a terceira etapa de uma pesquisa sobre ativos encalhados e risco climático no transporte marítimo que está sendo conduzida em parceria pelo CWR e UMAS. Ela oferece um método para analisar como as políticas de mitigação dos gases de efeito estufa no transporte marítimo e as contribuições nacionais no âmbito do Acordo de Paris podem afetar os investimentos existentes e futuros.

O Dr. Tristan Smith, Diretor da UMAS, explica: “A principal vantagem do relatório é permitir que os financiadores e os armadores estejam preparados. Portanto, é crucial para os ativos futuros planejar a flexibilidade desde o início, por exemplo, projetando para futuras adaptações e usando mecanismos de financiamento inovadores para lidar com uma variedade de cenários futuros. A análise de cenários que combina uma avaliação tecnoeconômica integrada com uma série de cenários de políticas previsíveis pode ajudar a navegar pelas incertezas futuras e ajudar os financiadores e os armadores a tomar decisões mais informadas sobre seus ativos.”

O relatório completo está disponível para download aqui. https://goo.gl/HePYbo

Fonte: Portos e Navios

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s