Organizações criticam ‘atropelamento’ de licenças ambientais em concessões

Uma carta assinada por 68 organizações da sociedade civil critica a Medida Provisória 727 que institui o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), principal aposta do governo para levar adiante seu pacote de concessões na área de infraestrutura.

Segundo as organizações, a MP, agora convertida no projeto de lei complementar (PLC) 23/2016, “foi apreciada pelo Congresso Nacional em ritmo acelerado, sem a devida transparência e participação da sociedade civil brasileira”.

O prazo para votação do PLC 23 termina nesta quinta-feira, 8, e está previsto para ser votado no Senado. “Na Comissão Mista e posteriormente no plenário da Câmara dos Deputados, requerimentos de audiências públicas foram ignorados. Destaques fundamentais para o projeto foram desconsiderados, assim como a possibilidade de os mesmos serem votados separadamente e não em bloco”, criticam as organizações.

Segundo essas entidades, o PPI adota um “conceito vago” para definir projetos que sejam de prioridade nacional, “para impor uma disciplina aos projetos de infraestrutura e desestatização despida de garantias efetivas de transparência, participação popular e proteção socioambiental”.

Entre os principais alvos de crítica está o processo de licenciamento ambiental. A proposta, afirmam, “insta os órgãos administrativos do governo federal, assim como Estados e municípios, a fazer a liberação dos empreendimentos e institui um dever de que todas as licenças e autorizações socioambientais sejam expedidas de maneira acelerada, criando-se assim um regime novo (e ilegal) para os procedimentos de averiguação da conformidade dos projetos com as leis de proteção aos povos indígenas e ao patrimônio histórico, artístico e cultural”.

As entidades declaram que emendas voltadas para proteção do meio ambiente e dos direitos humanos foram rejeitadas e que a proposta não garante, por exemplo, que os processos de consulta com os povos indígenas sejam realizados de acordo com parâmetros internacionais.

Entre as organizações que assinam o documento estão o Instituto de Estudos Sociais e Econômicos (Inesc), a International Rivers Brasil, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), o Observatório do Clima, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), o Greenpeace e a WWF-Brasil.

Fonte: ISTOÉ Dinheiro

Anúncios

5 comentários Adicione o seu

  1. JORGE RIOS disse:

    ALGUMAS “” ORGANIZAÇÕES “” querem apenas tumultuar os processos de licenciamento E agem de MÁ – FÉ ….. Sobretudo nas AUDIENCIAS PÚBLICAS ….. Para o DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL os estudos devem SER BEM FEITOS e CADA CASO É UM CASO ……

    SDS. FLUVIAIS;
    PROF. JORGE RIOS – M. Sc. Univ. de Grenoble – França
    Perito MPU [ Min. Publico da União ]

    ==================================================

    Curtir

  2. JORGE RIOS disse:

    Não se pode, por exemplo, PROIBIR A CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS COM RESERVATÓRIOS e depois conviver com a SECA , A FALTA DE ÁGUA E LIGAR AS USINAS TÉRMICAS bem mais caras e POLUIDORAS …..

    Pessoal usem o BOM SENSO pois CADA CASO É UM CASO ……

    SDS. FLUVIAIS;
    PROF. JORGE RIOS – M. Sc. Univ. de Grenoble – França
    Perito MPU [ Min. Publico da União ]

    ===================================

    Curtir

  3. JORGE RIOS disse:

    Se realmente quiserem APRENDER ALGO sobre POLITICA ENERGETICA, HIDROLOGIA E PLANEJAMENTO HÍDRICO ….
    Assistam a minha PALESTRA / AULA clicando em =====>>>

    http://portalclubedeengenharia.org.br/info/a-crise-da-agua-e-do-planejamento-

    SDS. FLUVIAIS;
    PROF. JORGE RIOS – M. Sc. Univ. de Grenoble – França
    Perito MPU [ Min. Publico da União ]
    Chefe da DRNR
    Ex- Superintendente de Rec. Hidricos do Est. RJ

    =================================

    Curtir

  4. ONDE HÁ, NO BRASIL, UM CRIME AMBIENTAL, ALI HÁ UMA PLACA INSTITUCIONAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. ALI HÁ UM CRIME AUTORIZADO!! MAS ANTES HOUVE UM PAGAMENTO FEITO PARA O ESTADO PARA PODER SE PRATICAR O CRIME!! ISSO É A POLÍTICA AMBIENTAL NO BRASIL!! – Professor Negreiros

    Curtir

  5. JORGE RIOS disse:

    NEGREIROS …. Não generalize é muito feio e POLITICAMENTE INCORRETO TAMBÉM [ detesto isto …]

    Lembre – se sempre que CADA CASO É UM CASO …..

    SDS. FLUVIAIS;
    PROF. JORGE RIOS – M. Sc. Univ. de Grenoble – França
    Perito MPU [ Min. Publico da União ]
    Chefe da DRNR
    Ex- Superintendente de Rec. Hidricos do Est. RJ

    =================================

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s